Postagens populares

Follow by Email

sexta-feira, 14 de novembro de 2008

Dreamforce interview: Marc Benioff, CEO, Salesforce.com

Dreamforce interview: Marc Benioff, CEO, Salesforce.com

04-Nov-2008

Salesforce.com CEO Marc Benioff shares his thoughts on pure revenue models, evangelical sales and why SAP's pitch at Cloud Computing is the most horrible thing ever...

salesforce.com logo

By Stuart Lauchlan, news and analysis editor

It's an increasingly stormy market out there. Why is Cloud Computing such a good thing in this economic climate?

Marc Benioff: These are difficult and unusual times. There's certainly a lot of fear out there. But our opinion is that there has never been a better time for Cloud Computing. If you need to lower your capital expenditure and lower your risks, then this is the time to do it. I have been very optimistic through this entire year and we haven't made any changes to our planning. People need solutions now that isolate them from risk.

I actually have a lot of empathy for our enterprise software peers because they don't have the opportunity that we have in having a full portfolio of revenues. Companies like Oracle and SAP are seeing big licence drop-offs. SAP has a hiring freeze and is contracting and when Oracle reports I wouldn't be surprised to see the same thing. When you're Oracle or SAP and the only tool you have is a hammer, then everything looks like a nail. We are far more flexible and adapatible. We have the power of elasticity.

"Business ByDesign is just horrible. I've never seen anyone do a worse job. SAP are doing a terrible, terrible, horrible job."


Marc Benioff, CEO, Salesforce.com

We don't want to make a lot of material changes to our business. We're not making material changes to our pricing or to our acquisition strategy. We know exactly what kind of companies we are looking for and when we find them then we'll go for it. We don't want to change that strategy because market conditions mean there are some lower cost companies out there. We are very excited about CRM and about Cloud Computing and we don't think that because other things are cheaper it means we should change our strategy.

What I try to do with our company is to ensure that we have a very diversified revenue portfolio. I personally want to show the biggest and the smallest companies in the world that we have an offering for them. The Platform approach gives you the ability to have that portfolio. And you have to be a pureplay. You can't be gaming out the model with licence sales. You have to have a nice revenue curve based on a pure revenue model.

So you won't diversify into other areas, such as HR or accounting?

MB: We view ourselves as a distribution constrained organisation. If I'm jealous of SAP and Oracle for anything it is that they have sales forces in the tens of thousands. I need more sales people who can go and do evangalical sales for the future. If we decided to sell new categories of application then we would have conflict. That needs continuous funding. CRM and the platform are the two most strategic aspects of The Cloud and that's what we focus on. Now, do I want HR and accounting and MRP on my platform? Hell yeah! I just don't want to have to pay for that. I want other people to build it and sell it for me. We want them to build on our platform. If we try to be it all and do it all then we're like SAP trying to be everything. You have to choose your poison.

"These are difficult and unusual times. There's certainly a lot of fear out there. But our opinion is that there has never been a better time for Cloud Computing."

Marc Benioff, CEO, Salesforce.com

Are there plans to set up a data centre in Europe any time soon?

MB: We have a very different approach to our data centres. We run our own data centres. We have our two primary data centres in the US which handled 10 billion transactions for customers in the past quarter. Through our relationship with Citibank, we are now opening a data centre in Singapore and as part of our continuing evaluation we are looking at where we will place a data centre in Europe. We are also evaluating a data centre in Japan. Those will come about as and when they are appropriate for us.

We have continuous investment but we are not typical of other data centres. We have centres with 500 computers in them rather than 5,000 or 50,000. The reason we can do that is because we run applications that are written from the ground up for a multi-tenant environment, we're not running things that were just not written for The Cloud. We leave that to other people. The customer has the ability to expect a certain level of performance as a result.

Is Cloud Computing really a strategic purchase?

MB: It is important for vendors to give customers solutions that benefit both the customer and the vendor. You have to make a choice as a developer whatever you choose. Portability of code is just not something that we've gotten to as an industry. This is not a commodity product. You're making a strategic relationship decision so you need to look at your vendors deeply and choose what is the right thing for you. When customers bought Sybase or Oracle, they made a decision that was strategic to them as a developer. Our job is to make sure that you pick our platform as once you choose someone else's its practically impossible to get you off it.

"Larry Ellison is my mentor. He is a tremendous leader in the industry. He still owns 5% of our company. Now that I've said that, he also studies the Art of War."

Marc Benioff, CEO, Salesforce.com

Salesforce.com expanded its relationship with Facebook this week, but wouldn't LinkedIn be a more B2B-focused partner?

MB: We love LinkedIn and we love MySpace and you will see us work to things with them in the future. There is no reason why the same thing we've done with Facebook can't be extended to other social networks. But you want to start with the number one social network. They were ready technologically and philosophically so we didn't have to do any heavy-lifting. But we want to do other relationships as well. We don't want to take any particular religious decision in that respect, so you will see further announcements in those other areas.

Microsoft recently made its own Cloud announcements – are they becoming a greater threat?

MB: Microsoft is the largest software firm in the world so if you are in the software market you are competing against Microsoft. You are if you are Oracle or if you are SAP. The reality is that you just gotta take 'em on. What you have to do is create a more compelling customer proposition. Microsoft CRM does not run on an iPhone or a Blackberry. We run with Microsoft technology. We work with Outlook. We fully embrace Microsoft. If you go into their world, then you get locked out. They hate everybody; we love everybody. This is our core strategy. (I learned that from Larry Ellison!) When Azure or Azaboom or whatever it's called is finished I hope we see Microsoft standing on a stage at Dreamforce.

Microsoft kind of understands that they are way behind on Cloud Computing. They did not release technology with their latest announcement and it seems to be two years away. This is why Microsoft slows everyone down. It's them and nobody else. They use their monopoly to control the industry and keep us in a box. I have huge respect for Ray Ozzie and what he's doing at Microsoft is interesting up until the point when it becomes them and nobody else. That's how it used to be but not any more. There's a door open in a black room and developers are walking out into the light and we and Facebook and Google and Amazon are there to receive them.

What about Oracle? Larry Ellison doesn't seem to believe in Cloud Computing...

MB: Larry Ellison is my mentor. He is a tremendous leader in the industry. He still owns 5% of our company. He has been a huge believer and he is constantly giving us advice and support. Now that I've said that, he also studies the Art of War. He has not invested in Cloud Computing because that's just not his revenue model. His job at Oracle is to pooh pooh Cloud Computing. I understand that. But ultimately it doesn't matter what Larry thinks, it's what his customers think.

And SAP? You offered to let them build their own Business ByDesign SaaS offering on Force.com? Any interest?

MB: I've sent several emails, but they haven't been returned. They should use our platform and stop dicking around. Business ByDesign is a huge implosion! They have completely emasculated their customer base. They don't understand Cloud Computing. They should take a development team and develop and application on our platform. Why do they have to have their own platform? It doesn't make any sense. The most important thing on software is the internet. Maybe their new management team or whoever they have left will see that. But Business ByDesign is just horrible. I've never seen anyone do a worse job. They are doing a terrible, terrible horrible job. They should stop making Cloud Computing announcements.

Related stories

  • Dreamforce: Benioff gets his head in The Cloud
  • 'No software!' Salesforce.com snaps up software firm
  • Dreamforce Europe: Benioff, Cloudy CIOs and sophisticated Europeans
  • Salesforce.com adds DaaS to SaaS and PaaS
  • Salesforce.com: innovation or a repackaging of consumer web ideas?
  • Special Report: Benioff boasts of Salesforce.com enterprise growth
  • Special Report: Microsoft sparks SaaS price war with Salesforce.com
  • Interview: Lindsey Armstrong, co-president EMEA, Salesforce.com


  • MyCustomer.com  04-Nov-2008
    Story read 794 times

    Salesforce.com se une ao Facebook e Amazon para criar aplicativos

    Salesforce.com se une ao Facebook e Amazon para criar aplicativos

    Por Rodrigo Caetano, do Ccomputerworld
    Publicada em 04 de novembro de 2008 às 09h55
    Atualizada em 04 de novembro de 2008 às 10h02

    São Paulo - Empresa oferecerá ferramentas para a criação de aplicações que podem integrar rede social com serviços de cloud computing da Amazon.

    Salesforce.com anunciou nesta terça-feira (04/11) uma nova parceria, desta vez com o Facebook para o desenvolvimento de aplicações. O objetivo é oferecer às empresas a capacidade de criar ferramentas para interação com os usuários da rede social.

    Com o acordo, desenvolvedores poderão usar as APIs do Facebook para desenvolver aplicações na plataforma Force.com, fornecida pela empresa. Assim, as empresas conseguem, por exemplo, criar um mecanismo de comunicação com seus consumidores que estão conectados à rede social.

    Segundo Marc Benioff, CEO e chairman da Salesforce, o acordo com o Facebook não será o único a ser realizado por sua empresa com redes sociais. “Começamos com o Facebook por se tratar da maior, mas vamos fazer parcerias com outras redes”, afirmou o executivo, em coletiva realizada durante o Dreamforce, evento anual promovido pela companhia.

    Além da parceria com o Facebook, a Salesforce também anunciou que firmou um acordo com a Amazon para permitir aos desenvolvedores construírem aplicações que usem os sistemas da empresa e os serviços de storage em nuvem fornecidos pela Amazon.

    Para Benioff, apesar da crise, “nunca houve um melhor momento para o cloud computing”. Com os acordos e o lançamento de um serviço para a publicação de sites, o executivo acredita que a Salesforce fortalece sua plataforma de desenvolvimento para a computação em nuvem e ganha fôlego na disputa por este mercado.

    Em relação ao recente lançamento do Azure, sistema operacional da Microsoft para Cloud Computing, Benioff foi categórico: “Eles (Microsoft) ainda não têm nada”, disse o executivo. “A Microsoft é a maior empresa de software do mundo e todo mundo compete com ela. Mas eles ainda têm a estratégia de fazer tudo sozinha e não compartilhar com o mercado. Isso não é o futuro”, declarou o CEO.

    quinta-feira, 6 de novembro de 2008

    Administrar na crise é como dirigir na chuva

    Colunistas | Gestão

    Administrar na crise é como dirigir na chuva
    Entenda melhor as necessidades de gestão no período atual
    Marco Leone Fernandes
    Atualizado em 03/11/2008
    Estamos ainda respirando os ares do Grande Prêmio do Brasil de Fórmula Um, e não consigo falar sobre F1 sem lembrar o nosso ídolo maior neste esporte, Ayrton Senna. Uma das coisas que mais admirava nele era a capacidade que desenvolveu para dirigir muito melhor que qualquer outro piloto em dias de chuva. Isto foi um diferencial importante para a conquista de várias pole positions, corridas e alguns títulos mundiais. Isso em um ambiente notoriamente complexo e altamente competitivo.
     
    Nestes dias em que a crise mundial ganha destaque nas primeiras páginas dos jornais do mundo inteiro, algumas empresas ainda continuam muito bem e seguindo em frente, como se a crise fosse irrelevante para elas. No outro lado da mesma moeda, temos grandes e respeitadas instituições, algumas centenárias, que simplesmente desapareceram do mapa.
     
    Para citar um personagem de destaque nesta crise, me agradaram muito o comportamento e a liderança de Warren Buffett. Enquanto todos estavam apavorados, realizando prejuízos e colocando seu dinheiro embaixo do colchão, Buffett, não por acaso, muito bem preparado e conhecedor profundo do mercado em que atua, enxergou na crise uma oportunidade. Arrematou uma boa fatia de grandes instituições financeiras por um preço muito abaixo do seu valor de mercado e, novamente, se tornou o homem mais rico do mundo, superando Mr. Bill Gates.
     
    Mas não foi só isso. Com este comportamento, inspirou outras lideranças mundiais e acabou sendo considerado por muitos especialistas em política e economia como o verdadeiro mentor da melhor solução para esta crise. Ele se habilitou, inclusive, a ser disputado como potencial ministro de ambos os candidatos à presidência dos Estados Unidos.
     
    E nós, como podemos nos preparar para enfrentar esta crise? Usando as mesmas armas que as empresas que estão tendo sucesso usam para atenuar seus impactos negativos. É fundamental conhecer muito bem o seu cliente e quais são as suas necessidades (CRM). É importante também ter uma estratégia inovadora e, ao mesmo tempo, uma estrutura enxuta, porém eficiente (Blue Ocean Strategy). Devemos manter ainda uma carteira de clientes com alta satisfação e lucratividade e um portfólio de produtos competitivo e adequado (Curva ABC, Matriz BCG e Matriz GE). É preciso aproveitar o valor gerado pelas sinergias internas e externas e manter um controle apurado da execução da estratégia (BSC) e finalmente, mas não menos importante, continuar vendendo com uma boa margem, com baixo custo de prospecção de venda e, o mais importante, de maneira constante e com acuracidade, ou seja, capacitação em processo de vendas. 

    Somente estes investimentos e sua correta execução podem imunizar uma empresa para as próximas crises, tirando-a do inferno da crise e levando-a para o paraíso das oportunidades. Administrar na crise é como dirigir na chuva: se você acelerar muito, perde o controle e bate; se frear bruscamente, derrapa – e bate! Só nos resta recomendar muita preparação, atenção redobrada, fé em Deus e pé na tábua!

    quarta-feira, 22 de outubro de 2008

    SaleSolution distribuirá produtos Salesforce





    PLANTÃO INFO 10/2008 / TI

    SaleSolution distribuirá produtos Salesforce

    Felipe Zmoginski, de INFO Online
    Terça-feira, 21 de outubro de 2008 - 17h54

    sexta-feira, 10 de outubro de 2008

    O MUNDO É UM MOINHO!


    Ainda é cedo amor  
    Mal começaste a conhecer a  vida  
    Já anuncias a hora de partida   
    Sem saber mesmo o rumo que irás tomar  
      
    Preste atenção querida   
    Embora eu saiba que estás resolvida  
    em cada esquina cai um pouco tua vida  
    Em pouco tempo não serás mais o que  és  
           
    Ouça-me bem amor    
    Preste atenção o mundo é um moinho  
    Vai triturar teus sonhos tão mesquinhos  
    Vai reduzir as ilusões a pó 
         
    Preste atenção querida     
    De cada amor tu herdarás só o cinismo   
    Quando notares estás à beira do abismo  
    Abismo que cavaste com os teus pés

    quinta-feira, 9 de outubro de 2008

    YOM KIPUR II

    Imprevisível...
    Perdoar o pecado ou o pecador? Ou ainda, os dois...
    O que fará então com a culpa, o culpado?
    O que merece o culpado, perdão ou vendetta?
    Isto o tempo dirá, mas só quando esfriar...
    O mundo é mesmo um moinho!

    YOM KIPUR - Dia do Perdão


    Dia do Perdão

    Durante um longo ano comete o homem toda sorte de erros, atropelos, voluntários, involuntários. O processo da teshuvá (arrependimento, retorno ao bem) não poderá realizar-se magicamente em um dia. A tradição judia coloca ao mês de EluI, último do ano, como prefácio para ir preparando o homem para a reflexão profunda, até o grande caminho interior. Cedo, nas manhãs de Elul se ouve o som do shofar: Desperta povo!

    Uma semana antes de Rosh Hashaná, também durante a madrugada, se dizem as orações que se chamam "selichot" - perdões). O 1º de Tishrei é o grande dia, a base para um ano novo e um novo ano de vida. Depois seguirão nove dias até o dia do perdão. Dez dias, para aprofundar-se dentro de si, afastar o mal, aproximar o bem. O processo chega a sua culminância no dia 10º de Tishrei : Yom Kipur.

    A expiação, Kipur, na raiz hebraica, refere-se ao "que cobre", ou seja, o castigo que envolve o ato perverso. Tudo o que se pode anular, deter ou parar é o castigo; mas não o ato cometido; esse ato está aí e a única maneira de superá-la é através de uma transcendental modificação da conduta pessoal posterior. Os atos são do homem, seguirão sendo dele, e a conseqüência, sua responsabilidade. Deus pode apagar o castigo, não o ato. O jejum - que acompanha todo o dia do perdão - por sua parte não faz milagre. O jejum do dia não sacrifica nada a favor de Deus, sendo que tal idéia seria eminentemente pagã. O que faz é reconcentrar o homem em seu espírito, afastá-lo, por algumas horas, da servidão do homem ao corpo e a suas necessidades.

    Observa-se também que as más ações ou transgressões têm duas polaridades: uma do homem em relação ao homem e a outra, do homem em relação a Deus. A primeira é a da vida diária, exterior, social e inter-humana. A outra, do âmbito da alma, é o segredo da consciência. A primeira é coisa de homens, e os homens têm de resolvê-la: "As transgressões que vão de homem a homem, não são expiadas pelo Yom Kipur, se antes não forem perdoadas pelo próximo ".

    Daí que se costuma pedir previamente o perdão de nossos semelhantes, se eles não perdoam, Deus não poderá intervir.

    Sinergia para geração de resultados

    www.partnersales.com.br 
    O site focado em parcerias de negócios e estratégias de vendas.

    Sinergia para geração de resultados
    É fundamental atentar para as oportunidades de sinergia do dia-a-dia
    Por Marco Leone Fernandes
    Atualizado em 09/10/2008
    Sinergia é conceito abrangente e complexo. Podemos defini-lo como o resultado positivo gerado em grupo, que deve ser maior que a soma dos resultados individuais dos elementos deste grupo, ou ainda, um bom motivo para se trabalhar em grupo...
     
    A sinergia de uma equipe, uma empresa ou um grupo de empresas tem sido cada dia mais valorizada pela liderança. O papel do líder é fundamental. Ele deve saber reconhecer os limites de sua equipe e favorecer oportunidades de criação de grupos com interesses comuns em que a complementaridade de perfis é vantajosa.
     
    Alguns elementos devem ser controlados para facilitar esta integração, como a insatisfação com resultados negativos, a divergência de opiniões, a falta de ética e os conflitos na definição de prioridades. Reunir pessoas com mais perícia, característica intelectual fundamentada na utilização de processos, e outras com mais experiência, característica emocional adquirida por meio da maturidade e da observação de erros e acertos, próprios e de terceiros, é excelente combinação. Claramente a geração de sinergia nestes grupos aumenta quanto maior for a flexibilidade destes membros para incorporar novas e diferentes idéias.
     
    Tão importante quanto a liderança é a existência de uma estratégia comum, que permita mensurar os resultados e o compromisso do grupo em superá-los. Recomenda-se medir a redução de custos de ineficiência, a melhora dos índices de qualidade e o favorecimento da criatividade e da inovação. A inovação ajuda especialmente na captura de valor das novas oportunidades e dos novos mercados por meio da criação de ofertas de produtos e serviços.
     
    A importância deste tema também é percebida em fusões e aquisições, pois a sinergia poderá potencializar a valoração e os resultados da nova empresa, avaliados por indicadores como maiores receitas obtidas com um portfólio de produtos otimizado, menores despesas por compartilhamento de infra-estrutura, benefícios fiscais por redução dos impostos pagos e reduções do custo de capital pelo menor nível de risco da nova empresa.
     
    Estudiosos das escolas de negócios têm criado ferramentas, como o BSC, para auxiliar aos membros de um grupo a medirem e alcançarem seus objetivos estratégicos comuns, utilizando-se das ações do seu dia-a-dia. Podemos citar ainda a Matriz BCG para avaliação do portfólio de produtos, a análise SWOT, que elenca forças e fraquezas (ambiente interno) e ameaças e oportunidades (ambiente externo), a Matriz ERRC, que busca a criação de valor usando ofertas diferenciadas e de baixo custo de produção, e o Six Sigma, que garante alto nível de qualidade nos processos.
     
    Os administradores têm observado os efeitos criados pela sinergia entre departamentos; nota-se a forte redução dos ciclos de vendas com o alinhamento entre as áreas. Um exemplo é se antecipar às objeções de ordem técnica e econômica de seus clientes (pelo jurídico, TI, RH e Finanças) já na fase inicial do processo comercial, ganhando tempo no fechamento.
     
    O investimento na satisfação e na retenção de talentos proporciona clientes fiéis e satisfeitos, que compram um mix maior de produtos e serviços, o que garante maior lucratividade e que, por conseqüência, trará novas oportunidades de investimento na satisfação dos funcionários, e assim sucessivamente, criando uma cadeia de serviços mais lucrativos.
     
    É fundamental estar atento às oportunidades de sinergia no nosso dia-a-dia. Muitas vezes passam despercebidas, quando poderiam reverter severos quadros recessivos de maneira rápida e eficiente.
     
    Isto parece tão claro quanto um hot-dog vale mais que um pão e uma salsicha separados. Mas nem sempre percebemos estas claras oportunidades.
     
    É preciso olhar para estas situações com olhos de ver e, principalmente, com muita vontade de agir.

    URL: http://www.partnersales.com.brnoticia_visualizar.asp?id_pag=66&id_not=435
    © Copyright PartnerSales - O site focado em parcerias de negócios e estratégias de vendas. 2008. Todos os direitos reservados. Outros nomes de companhias, produtos e serviços podem ser marcas registradas ou marcas de serviços de outros.

    DRIBLE NO DEPARTAMENTO DE TI

    Drible no departamento de TI

     | 03.04.2008

    A transformação do software em serviços prestados pela internet traz a agilidade e a simplicidade da web para os programas corporativos

    Fabiano Accorsi

    Hospital das Clínicas, em São Paulo: software sem burocracia

    Por Camila Fusco

    EXAME 

    Encomendar um software ao departamento de tecnologia costuma envolver uma boa dose de burocracia na maioria das empresas. E não se trata de pura implicância das áreas que pedem os sistemas. Segundo estatísticas dos especialistas americanos Bryan Maizlish e Robert Handler, depender da tecnologia é mesmo uma etapa irritante: 72% dos projetos atrasam, estouram o orçamento ou ficam incompletos. O processo tradicional começa com a aprovação de compra ou desenvolvimento e passa pela elaboração de um documento exaustivo de requerimentos técnicos, testes, eventuais compras de hardware -- até que, finalmente, o programa esteja disponível para uso. Mas existe também a alternativa da web. Com a popularização do modelo de software como serviço, basta entrar numa página da internet, sacar um cartão de crédito e pronto: o programa pode ser usado instantaneamente. Não há necessidade de treinamento profundo, manutenção nem extensos períodos de implantação. No Hospital das Clínicas, em São Paulo, mais de 100 pesquisadores utilizam um software de estatísticas que roda inteiramente na web. "Cada área pode usar seu orçamento da maneira que desejar", diz Marcio Biczyk, diretor de tecnologia do hospital. "E isso quer dizer descentralização e agilidade." É claro que não significa uma sentença de morte para o departamento de tecnologia -- apenas um uso mais racional de seus recursos.

    A consultoria Gartner batizou o fenômeno de "consumerização" das aplicações empresariais. Os grandes sistemas usados por uma companhia, como o de gestão empresarial, devem continuar no modelo tradicional de compra de licença e implementação complexa. Mas necessidades localizadas serão cada vez mais oferecidas pela internet. O mercado mundial para esse tipo de aplicação ainda é pequeno, embora cresça rápido. Os 5,1 bilhões de dólares movimentados no mundo no ano passado devem saltar para 11,5 bilhões em 2011 -- cerca de um quarto do total das vendas de software corporativo. Na construtora Gafisa, a área de vendas precisava de um software para administrar o relacionamento com clien tes. A idéia era permitir que os vendedores tivessem um controle efetivo das visitas e os contatos sempre à mão. Sob o comando do diretor de vendas de novos canais, Ademar Guedin Júnior, a empresa fechou contrato no início do ano com a Salesforce.com para que 200 funcionários da área usem o software fornecido via internet. O departamento de tecnologia foi envolvido apenas para fazer pequenas ligações com os demais sistemas. Esse é o modelo do departamento de tecnologia do futuro, na avaliação do Gartner. Ele deixará de cuidar de questões técnicas, como a manutenção de hardware e software -- que consome hoje até 80% do orçamento tecnológico --, para assumir um perfil estratégico.

    Custo médio de uma cirurgia de Safena
    Mercado mundial de software como serviço nas empresas
     (em bilhões de dólares)
    20064,2
    20075,1
    2011(1)11,5
    (1) Projeção
    Fonte: Gartner

    A popularização do software como serviço nas empresas não está fundamentada apenas em vantagens como corte de custos e flexibilidade, mas especialmente na mudança de comportamento de quem o utiliza. Todo usuário de um software empresarial também navega na internet. Faz compras em lojas de comércio eletrônico, buscas no Google e troca mensagens em programas como o Windows Live Messenger. Por que não ter a mesma comodidade e rapidez com os sistemas corporativos? A Datasul, uma das maiores produtoras de software de gestão empresarial, começou um esforço que envolve a empresa toda para melhorar a "ergonomia" do software, diz Jorge Steffens, executivo-chefe da empresa. Ele próprio lançou um blog para debater o assunto com programadores, designers e especialistas em usabilidade. Para Steffens, essa mudança é uma das mais importantes transformações da história da indústria do software. A alemã SAP também dá prioridade ao tema e passou a exigir de seu time de design -- composto de 40 pessoas -- a visão centrada no usuário. Zia Yusuf, vice-presidente mundial de inovação e ecossistemas, coordena pessoalmente a tarefa de fazer esses profissionais ir a campo e dialogar com os clientes sobre sugestões para tornar mais simples o colossal ERP, recheado de complexas funções, comandos e telas.

    O modelo almejado por todos é o da empresa americana Salesforce. Fundada por Marc Benioff, a empresa foi a primeira a desenhar toda a sua estratégia na entrega de software pela web. Hoje, a Salesforce tem quase 40 000 empresas como clientes e mais de 1 milhão de usuários. Além dos próprios aplicativos, a companhia criou um portal que serve como central de distribuição: desenvolvedores de todo o mundo podem colocar seus programas à venda no site da Salesforce. A Datasul foi a primeira empresa da América Latina a fazê-lo. Os serviços online têm muitas vantagens para clientes e usuários pelo mundo afora, afinal reduzem a complexidade e os custos. Para quem está no negócio de software, porém, a conta não é tão simples. No modelo tradicional, paga-se pelas licenças de uso e pela manutenção e pelas atualizações de versão. No modelo de serviços, a única receita existente é a da assinatura mensal. Os custos de infra-estrutura também crescem com o aumento de clientes -- enquanto numa companhia tradicional eles ficam diluídos quanto melhores forem as vendas. Mas a demanda por simplicidade não vai diminuir, muito pelo contrário. E, se isso significa uma mudança radical na indústria de software, alguns competidores já largaram na dianteira.

    TI não precisa saber
    O software como um serviço online permite que áreas de negócios das empresas contratem sistemas via internet — sem depender do departamento de tecnologia.Veja as principais diferenças para o software tradicional
     Software tradicionalSoftware como serviço
    CompraA empresa compra uma licença de uso do software para cada um de seus usuários e paga integralmente por elasNão há aquisição do software. A empresa paga por mês pelo aluguel com base no número de usuários
    AcessoO software fica instalado no servidor da empresa e os dados só podem ser acessados dos computadores ligados a eleO sistema é hospedado no servidor da fabricante do software e o acesso é feito via internet, de qualquer lugar
    AtualizaçãoÉ necessário o apoio do departamento de tecnologia para fazer migrações de versões e de dados. Geralmente se paga por novas licençasA atualização do software é feita pelo fornecedor via internet e o usuário não faz a migração de dados e não paga por isso
     

    Copyright © 2006, Editora Abril S.A. - 
    Todos os direitos reservados. All rights reserved.